Ufes São Mateus aposta em doutorado para 2019

Após garantir nota quatro no mestrado em Agricultura Tropical, a universidade inicia preparação para o novo desafio

SÃO MATEUS (ES) – A notícia revela otimismo e abre discussão para novos projetos, no Campus da Ufes São Mateus. Após ganhar nota quatro, no mestrado em Agricultura Tropical, a equipe do programa de pós-graduação já visualiza um novo cenário, com a possibilidade do primeiro doutorado no Norte Capixaba. Os resultados reunidos pelo programa são frutos de um trabalho executado pela universidade, desde 2010.O Programa de Pós-Graduação em Agricultura Tropical (PPGAT), em nível de mestrado, tem como objetivo promover a capacitação de recursos humanos na área de Agricultura Tropical, por meio de uma formação científica ampla, como subsídio ao crescimento profissional do egresso e para a solução de problemas reais do setor produtivo rural e, consequentemente, à inserção do egresso na consolidação da ciência aplicada à área do conhecimento da Agronomia.Primeiro doutorado no Norte Capixaba

Segundo o coordenador do programa, o professor Fábio Luiz Partelli , a nota abre uma janela de oportunidade, “pois o curso foi iniciado em 2010, com a nota três, uma média básica para a abertura dos trabalhos, agora ostenta uma nota que garante espaço para um novo desafio. O nosso programa de pós-graduação em Agricultura Tropical está envolvido com a agronomia. Dos 11 professores permanentes, oito são professores da agronomia”, explicou o coordenador.

A nota foi conferida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), instituição regulada pelo Governo Federal, responsável pela abertura, avaliação e fechamento de programa de pós-graduação no Brasil. O resultado é referente ao período de 2013 a 2016, em função do tempo de defesa e principalmente em função da produção científica.

Fábio ressaltou ainda que atualmente a Ufes tem uma média de 26 doutorados, mas todos concentrados no Campus da Grande Vitória e Alegre, o que revela a Ufes São Mateus como a primeira que pode ofertar doutorado no Norte Capixaba. “Se tivermos sucesso já com essa proposta e com a aprovação, provavelmente em 2019, nós vamos ser o primeiro doutorado no Norte Capixaba, pelo menos na área agrícola seremos o primeiro”, pontuou.

Para o professor, a nota está além de um simples reconhecimento, mas é como uma credencial para a solicitação de doutorado. “Provavelmente a equipe, o grupo dos professores, na reunião do colegiado, até o início do ano que vem vamos ver o que precisamos fazer, credenciar mais um professor, fazer alguns ajustes de proposta, aprovar as instancias internas da universidade, submeter a proposta, em agosto ou setembro do ano que vem para a Capes, para obter uma resposta até novembro, se poderemos ou não abrir o doutorado, já em 2019”, destacou.

Conforme Fábio, a formação de mais de 80 mestres, dos quais ele acredita que cerca de 90% serão atuantes na região, visto a característica regional do programa. “Isso significa profissionais em cooperativas, iniciativa pública ou privada, que em função da sua formação em qualidade estão trabalhando melhor. Com essa formação em recursos humanos, nesses dois anos, gerou uma dissertação, resultado de pesquisas, um trabalho de ciência aplicada, estudo de uma tecnologia, com resultados que podem ser usados pelos agricultores, o que pode implicar na economia e aumento da produção”, ressaltou.

Segundo o coordenador do programa, o professor Fábio Luiz Partelli , a nota abre uma janela de oportunidade, “pois o curso foi iniciado em 2010, com a nota três, uma média básica para a abertura dos trabalhos, agora ostenta uma nota que garante espaço para um novo desafio.

 


  • Carlos Magno Martins

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook