‘Pílula do câncer’ não mostra eficácia e estudo é suspenso

Segundo revela pesquisa, de 59 pacientes avaliados, apenas um teve melhora do quadro clínico

SÃO PAULO – A história da fosfoetanolamina, a “pílula do câncer”, teve início na década de 1990, com a distribuição de cápsulas pelo professor da USP Gilberto Chierice sem a existência de estudos que comprovassem sua eficácia. Decisões judiciais pró e contra sua oferta surgiram, e grupos pró e contra a pílula travaram disputas sobre seus benefícios.

A novela pode ter entrado em seu capítulo final nesta sexta (31), com a divulgação dos resultados de um estudo do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp).

Após oito meses, o estudo financiado pelo governo do Estado de São Paulo foi suspenso por falta de “benefício clínico significativo” para os pacientes. De 59 pacientes avaliados até então, apenas um, que tinha melanoma, teve melhora do quadro clínico.

Esse paciente e aqueles que ainda estão em tratamento poderão continuar recebendo as cápsulas, mas não serão incluídos novos pacientes.

Para participar do estudo era necessário estar em estágio avançado da doença e com histórico de falhas em terapias anteriores. Isso era necessário para verificar se apenas a fosfoetanolamina teria algum efeito –e não ela em combinação com outras drogas, como explica Paulo Hoff, diretor geral do Icesp e líder da pesquisa.Ele afirma que o modelo do estudo (testes em grupos de 21 pacientes, com dez tipos de tumores diferentes) não foi feito especialmente para a “fosfo”, mas é o que é usado para qualquer novo tratamento.

Para que a pílula fosse considerada eficaz, esperava-se que pelo menos 20% dos pacientes tivessem melhora significativa da doença.

Para Hoff, o resultado está muito aquém do desejável e não há justificativa ética para continuar a pesquisa.

Inicialmente, o governo planejava gastar R$ 1,5 milhão na pesquisa, mas, segundo o secretário da Saúde, David Uip, o total não deve chegar a tanto, já que o número de pacientes será apenas uma pequena fração do número original previsto.

Por anos, as cápsulas foram produzidas e distribuídas pelo grupo de pesquisa da USP de São Carlos chefiado pelo então professor Gilberto Chierice, apesar da ausência de estudos que comprovassem a eficácia da substância. Sempre houve relatos anedóticos de casos de melhora e até de cura.

Regina Monteiro, integrante de um grupo de voluntários ligado ao professor Chierice que acompanhou o estudo, disse considerar a empreitada “insuficiente para dar todas as respostas” sobre a fosfoetanolamina, que recentemente começou a ser vendida como suplemento alimentar.

David Uip defendeu a pesquisa, dizendo que ela seguiu padrões rígidos de qualidade e que o estudo era necessário para “dar uma resposta ao clamor da sociedade”.

O caso do paciente que melhorou é visto com cautela por Hoff: pode se tratar de efeito placebo ou de uma cura espontânea, como em muitos outros casos. “Não é possível afirmar que a resposta aconteceu por causa da droga.” Para Gilberto Lopes Jr., oncologista da Universidade de Miami (EUA), é possível que seja um efeito tardio dos quimioterápicos, algo não tão raro com o melanoma.

Os demais grupos não obtiveram o resultado necessário para justificar a continuidade do estudo ou a ampliação do tamanho da amostra.

“Gostaria que esse fosse o fim da polêmica, mas acho que não será o caso. As pessoas têm fé tamanha na droga que nem os dados conseguem dissuadi-las”, diz Lopes.

  • Com informações da Folhapress.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here