Ibuprofeno e diclofenaco elevam em mais de 30% risco de infarto, diz estudo

SÃO PAULO – Remédios muito utilizados contra dores e inflamações e que podem ser comprados sem a necessidade de receita médica podem aumentar o risco de ataque cardíaco. O mais novo estudo alertando para esse efeito adverso mostra que o diclofenaco e o ibuprofeno elevam o risco de quem usa as pílulas sofrer uma parada cardíaca em 51% e 31%, respectivamente. Os resultados corroboram outras pesquisas que há anos associam o uso de anti-inflamatórios não esteroides –conhecidos como Aines– com maior chance de infarto.

O aumento do risco é grave para aqueles que já têm alguma doença cardiovascular, como hipertensão. No Brasil, as bulas desses remédios já alertam para a necessidade de cuidados e acompanhamento médico para esses pacientes ao ingerirem os medicamentos (veja abaixo), além de restringirem a quantidade. De acordo com a pesquisa, publicada no European Heart Journal, todos os Aines existentes no mercado elevam o risco de problemas cardíacos.

Os pesquisadores chamam a atenção para o fato de esses remédios ficarem expostos nas prateleiras e balcões das farmácias, podendo ser adquiridos sem orientação médica nenhuma. Em alguns países, as pílulas chegam a ser vendidas em supermercados e postos de gasolina. “Permitir que esses medicamentos sejam adquiridos sem receita médica e sem qualquer conselho ou restrição envia uma mensagem ao público de que eles são seguros”, afirma Gunnar Gislason, professor da Universidade de Copenhague e coautor do estudo, em uma nota da Sociedade Europeia de Cardiologia.

No caso do ibuprofeno, o limite máximo que garantiria um uso seguro é de 1.200 mg por dia, diz o estudo. A explicação para esse efeito colateral causado pelos Aine estaria na agregação das plaquetas no sangue. Esse efeito dos remédios pode levar à formação de coágulos, além de estreitar as artérias e aumentar a retenção de líquidos e a pressão arterial.

Para avaliar a associação do ibuprofeno e do diclofenaco a problemas cardíacos, os pesquisadores dinamarqueses estudaram dados de pessoas que sofreram infarto na Dinamarca entre os anos de 2001 e 2010. Cerca de 29 mil casos ocorreram fora do hospital. Dentre eles, 3,3 mil vítimas tinham tomado algum anti-inflamatório não esteroide ao menos 30 dias antes da ocorrência do problema.

O estudo mostrou que o ibuprofeno, tomado por 51% dos que usaram algum tipo de Aine, elevou o risco de parada cardíaca em 31%. O mais perigoso, o diclofenaco, que elevou o risco em 51%, foi ingerido por 22% dos pacientes. O naproxeno seria o Aine mais seguro quando ingerido em doses de até 500 mg.

O que dizem as bulas dos remédios no Brasil

A bula do ibuprofeno informa que a dose mais alta, de 2.400 mg por dia (o equivalente a quatro comprimidos de 600 mg de seis em seis horas), “pode estar associada a um pequeno aumento do risco de eventos trombóticos (trombose) com infarto do miocárdio ou derrame”. De acordo com o fabricante, não há risco na ingestão de menos de 1.200 mg por dia (ou dois comprimidos de 600 mg a cada 12 horas). Já na bula do diclofenaco, a fabricante diz que o medicamento não é recomendado para quem tem doenças cardiovasculares, como “pressão arterial alta não controlada, insuficiência cardíaca congestiva, doença isquêmica cardíaca ou doença arterial periférica”.

A bula informa que o tratamento de pessoas de risco com o remédio deve ser feito com acompanhamento médico. Os remédios estão disponíveis em gotas ou em comprimidos com dosagens que variam de 50 mg a 600 mg. No Brasil, não há necessidade de prescrição médica para a compra de anti-inflamatórios não esteroides.

  • Com informações do Noticia 10

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here