GM encerra atividades na Venezuela após tomada de autoridades e confisco de bens

Brasil Econômico

Na quarta-feira (19), a General Motors (GM) anunciou o encerramento de suas atividades na Venezuela, devido à tomada de uma de suas unidades, no centro de Valencia, por autoridades do país.

Leia também: Bovespa apresenta queda de 1,17%, porém cresce em valor de mercado

De acordo com informações de agências internacionais, além da inesperada tomada das autoridades, ativos da companhia, como por exemplo, veículos, também foram retirados ilegalmente do estabelecimento localizado na Venezuela
. Assim, a GM se pronunciou afirmando que tomará todas as medidas para defender seus direitos.


Após ocorrido na unidade de Valencia na Venezuela, GM afirma que tomará as medidas necessárias para defender seus direitos
shutterstock

Após ocorrido na unidade de Valencia na Venezuela, GM afirma que tomará as medidas necessárias para defender seus direitos

A montadora ainda destacou que pagará os benefícios detidos pelos trabalhadores que serão demitidos em função do fechamento da unidade, que era a mais antiga fábrica de veículos do país. No total, a GMV emprega 2.678 pessoas, além de contar com 79 pontos abrangentes a 3.900 funcionários.

Vale lembrar que o ocorrido se deu em meio a uma série de manifestações e diante de uma crise econômica, que se intensifica cada vez mais no país. Em relação à indústria automobilística, o cenário também é caótico e preocupante, uma vez que diferentes empresas do ramo estão sendo afetadas devido a escassez de matéria-prima e um rígido controle monetário, o que impacta diretamente a produção local.

Leia também: Veja o que muda com a aprovação da Reforma da Previdência

Cenário atual

Em 2014, a Venezuela já estava sendo permeada pela falta de produtos básicos, inflação e uma forte insegurança e instabilidade econômica. Outro fator determinante no período foi o início das manifestações de estudantes e opositores do governo de Nicolás Maduro. Os atos políticos continuaram a ocorrer ao longo dos anos, sendo marcados por conflitos violentos e a morte de 42 pessoas.

Atualmente, a situação econômica e política do país tem se agravado, passando a ter a maior inflação do mundo segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI). Uma “crise humanitária” também é pautada devido a falta de remédios. 

O aumento da criminalidade, o racionamento de energia e a falta de produtos considerados básicos, potencializaram um descontentamento na população, além da crescente execução de saques e protestos.  Os problemas sociais da Venezuela também se intensificaram com a dependência da importação de bens, o severo controle estatal referente a produção e distribuição de produtos e a queda do preço do petróleo.

Leia também: Criança pede para marca GAP fazer roupas descoladas para meninas e não rosa

Comentários Facebook